Evite estas 4 práticas para conseguir pagar as contas e não cair na inadimplência

Ninguém quer entrar em dívidas que não vão conseguir pagar, né? Ter o nome registrado no SPC e no SERASA é algo extremamente prejudicial para o histórico de pagador de um cidadão. Isso pode acabar atrapalhando bastante sua vida, impedindo autorização de financiamentos, empréstimos, solicitações de cartões de crédito.

Segundo informações da PEIC (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor) apurada mensalmente pala CNC, no estado de São Paulo, 43,1% da sua população (15.307.226 habitantes) são inadimplentes. Administradoras de cartão de crédito, bancos, financeiras, telefonia (dentre outros) são os principais credores.

Existem alguns cuidados que devemos tomar para não acumular dívidas que podem acabar sujando seu nome. Fique atento nos seguintes itens.

AUMENTAR LIMITES DE CARTÃO

Extremamente perigoso, o aumento desenfreado do limite do cartão de crédito é um dos piores e um dos fatores mais comuns que levam as pessoas às dívidas. Assim como o salário, quanto mais se ganha, mais se gasta. Com o cartão de crédito não é diferente e afeta, consequentemente, o salário.

Fique atento! Calcule o quanto está disposto a pagar em faturas e um teto fixo para evitar gastos em excesso no cartão de crédito. 

COMPRAR SEM PLANEJAR

Comprar coisas de última hora sem ter ideia de como fazer para pagar é a forma mais comum de ter o nome sujo. Ter um bom planejamento antes de comprar qualquer coisa é de extrema importância.

Sempre calcule antes, verifique se há recursos suficientes para gastar e possíveis mensalidades além de outros gastos fixos. Outra dica: pergunte a si mesmo se realmente há necessidade de comprar aquilo. Se a resposta for não ou surgir uma dúvida na sua cabeça, talvez seja interessante repensar essa compra.

PARCELAR TUDO

Às vezes bate aquele medo de acabar com a grana do débito e vamos usando tudo no crédito. Não faça isso. Sempre que puder pagar algo à vista e não houver necessidade de parcelamento, pague.

Acumular muitos valores parcelados pode gerar uma fatura monstruosa para o próximo mês mesmo tendo acabado de pagar a do mês atual.

EMPRESTAR O CPF

Definitivamente jamais faça isso, a menos que seja extremamente urgente. Quase 23% dos que emprestaram seu CPF/nome, não sabiam sequer o valor da compra que seria feita e se a pessoa poderia se comprometer a pagar. É frustrante ser um bom pagador e fazer um favor para quem não é.

Tome bastante cuidado com seus gastos, evite compulsividade e planeje-se. O nome limpo na praça é seu maior bem. Preserve-o.

Fonte: 

Curtiu? Coloque aqui o seu E-Mail e receba os próximos artigos!