Eu disse que tinha mais dinheiro, mas era mentira

 

Um aspecto comum e pouco percebido na nossa sociedade é o quanto as pessoas mascaram as suas próprias realidades financeiras. Seja em uma tentativa de conseguir melhores negócios pela dó da outra parte, pela vergonha de assumir nosso real estado, para se destacar em uma reunião de amigos ou conhecidos do passado, ou qualquer outro motivo que seja... No entanto, qual o efeito desse processo na nossa vida e na nossa relação com o dinheiro?

Tentemos entender um pouco melhor: quão difícil seria para si mesmo admitir que você, de todos, é o que possui a menor renda ou o estilo de vida mais simples? Ou ainda, que você é o que tem a vida de maior fartura diante de amigos que passam necessidades. Tais verdades nos tiram do grupo que queremos pertencer, portanto, automaticamente, damos um passo para trás e usamos eufemismo ou máscaras.

Não diferente do que ocorre para padrões de beleza e não restrito para qualquer classe ou tribo, nós procuramos sempre nos adequar ao ambiente e a quem o povoa, é como dançar no ritmo da música que toca - adaptabilidade. Todavia, que tipo de informação isso dá ao nosso cérebro? Qual o impacto disso na nossa auto-estima no sentido de amar a si mesmo e aceitar o seu momento financeiro?

Toda vez que mascaramos a nossa realidade para nos adequarmos a determinado contexto, além de passivamente nos compararmos (o que por si só já é absurdo), estamos desvalorizando não apenas tudo o que conquistamos, como também todos nossos esforços passados para chegar onde estamos. Ou seja, estamos dizendo a nós mesmos que tudo que fizemos até agora é insuficiente, ruim ou repleto de imperfeições. É claro, muitas das decisões que tomamos podem não terem sido as melhores, mas no momento em que foram escolhidas (dadas as informações que tínhamos na época), sempre tentaram valorizar e priorizar o que era mais importante para nós.

Ter gratidão e sermos verdadeiros quanto a onde estamos e o que conquistamos é se apropriar das escolhas que tomamos. E isso pode ser a coisa mais empoderadora que há, visto que foi tudo construído respeitando os nossos princípios e valores. Se hoje você tem uma condição de vida de poucos recursos, pode ser porque existem coisas que são mais importantes para você do que o dinheiro. E se perceber priorizando o que é mais importante para você é tão rico, é tão absolutamente maravilhoso e lindo que se não estamos fazendo isso temos que parar TUDO. Olhar. Encharcar-se de amor por si. E aí sim, continuar fazendo nosso melhor.

Fonte: 

Curtiu? Coloque aqui o seu E-Mail e receba os próximos artigos!