Como não sair do controle com os gastos da sua viagem de Carnaval?

Com a chegada de um dos maiores e mais e aguardados feriados do ano, viagens já estão pagas, casas estão alugadas e as malas com roupa de praia já se encontram perto da porta. Entretanto, quantas foram as vezes que dessas viagens, acompanhadas de extenso planejamento foi possível respeitar o orçamento inicial? “Mas tudo bem! É uma vez no ano! Agora que estamos aqui, temos que aproveitar! ” diz nossa mente, nos munindo de argumentos para justificar os desagradáveis meses subsequentes de aperto e risco financeiro.

Quem nunca perdeu a mão que atire a primeira pedra! Planejamento não significa que tudo vai ocorrer como previsto, sendo assim, qual o mal de subestimar um pouco os gastos? Depende, quantas vezes os gastos foram maiores e quantas vezes foram menores? Um deslize isolado não é preocupante, no entanto, ele não é recorrente?

Essas e outras perguntas são importantes de serem feitas. Igualmente relevante a idagá-las, é buscar respondê-las de forma verdadeira, a realmente entender como funciona nosso pensamento financeiro. Compreendido isso, resta apenas criar estratégias para tornar-se mais eficaz e alinhado com o que se acredita ser melhor para a saúde financeira.

Algumas das perguntas clássicas no que se refere a viagens de carnaval e como se manter dentro do orçamento:

Montar um itinerário ajuda?

Sim!! Óbviamente cada pessoa gosta de um teor de imprevisibilidade e aventura em suas viagens, no entanto, é possível saber o que diverte, o que instiga, o que é mais provável de você querer fazer uma vez lá. Usar essas informações e conhecimento sobre si mesmo torna possível encontrar outros lugares que oferecem o que você busca e, mais do que isso, orçar. Assim, você se vê com um planejamento mais sólido, alinhado com as expectativas de gastos, o que permite que haja um controle anterior à viagem e portanto um cenário mais frutuoso uma vez de volta.

Como eu faço para lidar com imprevistos?

Depende do imprevisto! Falamos de algo sério como um golpe, estelionato, um acidente, a presença de uma pessoa que influencia os gastos gerais? Cada situação demanda de um tipo de cuidado prévio para que seja minimizada em sua ocorrência, sendo assim, vale a pena pensar sempre no pior cenário: estou seguindo uma metodologia segura para alugar essa casa? Os locadores assinaram um contrato antes de pedirem um TED? O carro que vou utilizar na viagem passou por uma revisão recente? Eu sei exatamente quem vai? Faça como com o Bis e desconfie de todos! (https://www.youtube.com/watch?v=o8mOsrViiE4) Imagine o pior cenário e tome as precauções necessárias – faça isso e veja como cada vez menos imprevistos assombrarão seus momentos de felicidade.

Como diferenciar o que quero ou preciso no Carnaval?

Mais uma vez nos fazemos nossos piores inimigos, tamanha a inteligência humana você é quem sabe que argumentos funcionam contra si mesmo. O que considera válido e o que não, desta forma, acaba sempre optando por aquilo que deseja, haja visto que se pausou para avaliar racionalmente, tal abordagem pouco ajudará. Ofereço então uma colaboração: use os mesmo critérios para tudo! Não se permita isolar os casos, trazer novas variáveis, pense como para todo o resto: este gasto é vital para a minha sobrevivência e bem-estar? O que estou me propondo a usar é um dinheiro de diversão ou de sobrevivência? Este gasto oferece algum risco ao meu planejamento? Quanto eu já gastei até agora? Será eu realmente preciso disso para encontrar felicidade nessa viagem?

Perguntas são muitas e respostas, encontraremos ainda mais, no entanto: qual o caminho que deseja seguir? Faz sentido procurar as perguntas certas e assegurar uma tranquilidade financeira no resto do ano? Ou será melhor zelar pelo conjunto de alegrias advindas de viver o agora e arcar com os riscos e pensamentos depressivos subsequentes? Melhor pensar em como não sair do orçamento ou em como fazer para sair do buraco em que se encontra?

Você é quem responde pelas consequências dos seus atos e se elas são toleráveis, por que não? Apenas crie a força para se apropriar de suas decisões e consequências e viva bem sabendo que os erros ensinam melhor do que tudo. E que o seu amanhã será sempre melhor do que o seu hoje, se não pela quantidade de dinheiro, pelos ensinamentos que os impactos  trouxeram.

Fonte: 

Curtiu? Coloque aqui o seu E-Mail e receba os próximos artigos!