5 dicas infalíveis para pegar um empréstimo sem se enrolar

Recorrer a um empréstimo geralmente é uma questão muito delicada. Seja para investimentos ou para pagamento de dívidas, decidir pedir ajuda a uma financeira para emprestar dinheiro é algo que requer sacrifícios.

Diferentemente da comum negatividade da palavra "empréstimo", há maneiras de chegar a essa decisão de maneira confortável e segura. Mas claro, seguindo essas infalíveis 5 dicas que separei para você:

 

1- ORGANIZE SEU ORÇAMENTO

Chegar ao ponto de pedir um empréstimo pode significar uma vida financeira complicada. A primeira coisa é refletir sobre como precisou chegar a essa decisão, mesmo que seja para um investimento. 

A ideia principal é revisar todos os seus gastos e colocar cada centavo na ponta do lápis para não se dar mal nas datas de pagamentos das despesas fixas e a mensalidade do empréstimo. Esse valor vem cheio de taxas que podem deixar o valor total altíssimo.

Depois de analisar todos esses pontos, aprenda a criar reservas de emergência (falei disso neste texto AQUI) para evitar novos empréstimos no futuro.

 

2- CRÉDITO CONSIGNADO É UMA BOA IDEIA

O crédito consignado é uma das modalidades de empréstimo com as taxas de juros mais baixas do mercado. Esse tipo de crédito desconta as parcelas diretamente do salário ou benefício do INSS, por isso, o risco para a instituição financeira é baixo. Mas existem diferenças nas taxas entre as instituições financeiras.

No setor privado, o empréstimo pode custar entre 0,65% ao mês e 6,36% ao mês, segundo dados do Banco Central. Já para os trabalhadores do setor público, a taxa mínima varia entre 1,03% e 5,42% de uma instituição para outra.

Caso seja assalariado, só consegue pegar o empréstimo consignado pelo banco pelo qual recebe o salário ou por outra instituição conveniada com a empresa ou com o governo. Agora, se for aposentado ou pensionista do INSS, pode tentar no banco que desejar.

 

3- PROCURE EMPRÉSTIMOS MAIS BARATOS PARA QUITAR DÍVIDAS

A ideia é buscar um empréstimo com menores taxas para pagar dívidas mais altas. Uma dívida ainda vai existir? Sim, mas isso impede que ela cresça.

Se a dívida maior possui taxas grandes de juros, uma dica é contratar um empréstimo com taxas menores para quitá-lo e assim impedir que vire algo ainda maior e mais complicada de pagar no futuro.

Pode soar esquisito matar uma dívida com outra, mas a segunda vai ficar mais fácil de quitar do que a primeira crescendo desenfreadamente.

 

4- TOME CUIDADO COM EMPRÉSTIMOS ONLINE

Ultimamente sites e aplicativos estão ganhando popularidade e oferecido empréstimos com uma facilidade tão grande que quem está muito desesperado acaba caindo fácil. Porém, muita gente esquece de realmente prestar atenção aos termos e taxas desses empréstimos.

Sempre procure saber quem é o banco ou financeira por trás daquele crédito e se informar na internet sobre sua credibilidade, pois os golpes estão aumentando com a mesma velocidade em que surgem esses sites por aí.

Se a empresa pedir adiantamento em dinheiro para cobrir supostas taxas ou impostos, desconfie, pois essa prática não é comum no mercado.

 

5- COMPARE O CUSTO EFETIVO TOTAL

Se você pensa que os juros são a única taxa cobrada nesse tipo de financiamento, você está enganado. Além deles ainda tem o chamado Custo Efetivo Total (CET), que inclui todos os encargos cobrados pelo banco ou financeira para emprestar dinheiro, como impostos, seguros e taxa de abertura de cadastro.

É necessário comparar também o CET, pois nem sempre a financeira que oferece menores juros oferece o menor CET. E como é uma taxa pouco falada, muitas pessoas não a levam em conta ao contratar um empréstimo.

Confira também o texto que escrevi sobre o que fazer antes de comprar qualquer coisa. O blog é repleto de dicas e informações relevantes pra melhorar a sua vida financeira. Se increva na newsletter e fique sempre por dentro das novidades

Fonte: 

Curtiu? Coloque aqui o seu E-Mail e receba os próximos artigos!